Estado do Amapá treina militares para combater incêndios florestais

Amapá – Unidade da Federação que menos devasta a floresta, o Amapá quer manter o posto de Estado que mais conserva a cobertura vegetal. Para isto, entre outras estratégias de preservação, o governo estadual está treinado militares do Corpo de Bombeiros (CBM) para ações específicas de combate a incêndios florestais. O curso envolve ainda militares do Exército Brasileiro – alunos e instrutores – e agentes do Grupo Tático Aéreo (GTA).

A equipe de instrutores do Curso Combate a Incêndio Florestal na Amazônia é formada por instrutores do CBM do Amapá e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Foto: CBM.
A equipe de instrutores do Curso Combate a Incêndio Florestal na Amazônia é formada por instrutores do CBM do Amapá e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Foto: CBM.

Com instruções teóricas e práticas, o treinamento iniciou no dia 18 de setembro e seguiu até 20 de outubro. As aulas teóricas ocorreram na Academia Integrada de Formação e Aperfeiçoamento (AIFA). Já as instruções práticas foram realizadas em áreas florestais nos municípios de Santana e Ferreira Gomes.

De acordo com coordenador do treinamento, coronel do CBM, Hilton Moreira, o principal objetivo é preparar os militares para enfrentar diversos tipos de incidentes de natureza ambiental, em especial os que envolvem incêndios em vegetação. Segundo ele, a capacitação ensina a planejar ações de prevenção e operações de resposta. “Por isso, os procedimentos praticados no curso têm enfoque nas áreas de segurança pública, defesa civil e preservação do meio ambiente”, reforçou o coordenador.

Em campo os militares aprenderam diversas técnicas com o uso da própria mata para conter o fogo, como confecção de aceiros e de cabos para materiais e equipamentos de incêndio florestais. Também treinaram como prestar primeiros socorros a vítimas de asfixia por fumaça, queimaduras, entre outras urgências e emergências causadas em um incêndio florestal.

A equipe de instrutores do Curso Combate a Incêndio Florestal na Amazônia é formada por instrutores do CBM do Amapá e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Foto: CBM.
A equipe de instrutores do Curso Combate a Incêndio Florestal na Amazônia é formada por instrutores do CBM do Amapá e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Foto: CBM.

“Aqui eles são preparados para enfrentar as situações mais difíceis que podem aparecer em uma ocorrência de sinistro ambiental, aprendem desde marchar com mochilas que pesam 20 quilos a estudos geográficos amazônicos. É preciso praticar muito para adquirir habilidades com um alto grau de qualidade”, completou o coronel Hilton.

Ele ressaltou que apesar dos estudos confirmarem o Amapá como o Estado que menos agride o meio ambiente, o governo quer evitar cair na zona de conforto e segue com estratégia para manter o Estado com o menor índice de devastação florestal da Amazônia Legal.

Segundo o último estudo do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgado em abril deste ano, pelo quinto ano consecutivo o Amapá figurou como o Estado amazônico que mais preserva a floresta nativa. Os dados são relativos ao ano de 2016, quando o Amapá desmatou 24 quilômetros quadrados. Esta quantidade é 126 vezes menor que a do Estado com mais desmatamento, o Pará, que degradou 3.025 quilômetros quadrados em 2016.

A equipe de instrutores do Curso Combate a Incêndio Florestal na Amazônia é formada por instrutores do CBM do Amapá e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal.

A equipe de instrutores do Curso Combate a Incêndio Florestal na Amazônia é formada por instrutores do CBM do Amapá e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Foto: CBM.
A equipe de instrutores do Curso Combate a Incêndio Florestal na Amazônia é formada por instrutores do CBM do Amapá e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Foto: CBM.

Governo do Amapá, por Elder de Abreu.

Deixe uma resposta

- Saiba o que é trollagem: Cuidado com os TROLLS !

- Política de moderação: Política de moderação de comentários: sua consciência

Os comentários não representam a opinião do Piloto Policial. Os comentários são de responsabilidade dos respectivos autores.

Comentários

comentários