Heliópolis – O voo à beira dos limites

Anúncio

CARLOS EDUARDO FALCONI

Resumo: Analisa a atuação de helicópteros do Grupamento de Radiopatrulha Área da Polícia Militar do Estado de São Paulo no incêndio na favela denominada Heliópolis, na Capital do Estado em 1996.

Palavras-chave: Uso de helicóptero, fogo, salvamento e operação resgate.


ASSUMINDO O SERVIÇO

Manhã do dia 17 de junho de 1996. Era um dia nublado que, por volta das 06:30 horas, mal acabara de nascer. Como rotineiramente fazemos, naquele dia cheguei ao nosso hangar no Campo de Marte, vesti meu macacão de voo e respectivos acessórios e me dirigi até minha aeronave, a fim de fazer o pré-voo1. Como sempre, as aeronaves já estavam devidamente inspecionadas pelos mecânicos de serviço e prontas para a operação daquele dia, que aparentava ser mais um dia normal, sem grandes diferenças dos anteriores.

Estava escalado como Comandante de Aeronave2 da equipe “A”3, motivo pelo qual fazia o pré-vôo do Águia Seis, preparando-o para a execução do vôo de trânsito4. O Tenente Peixoto, Comandante de Operações e meu segundo piloto, procedia o briefing5 ao tripulante e passageiros não habilitados, no caso, um oficial do Comando de Policiamento de Trânsito e um engenheiro da Companhia de Engenharia de Tráfego – CET, da Prefeitura do Município de São Paulo.

Neste ínterim, o Capitão Monte Oliva, Comandante da Aeronave da Equipe “B”, fazia o pré-vôo do Águia Dois, enquanto o Tenente Médico Galetti e o Sargento Enfermeiro Pimentel checavam todos os kits de emergência e equipamentos médicos da aeronave. O Tenente Beni estava na sala de rádio, nossa Central de Comunicações, pois fora chamado pelo Tenente Joseval, chefe da equipe de tripulantes operacionais, para acompanhar o desenrolar de uma ocorrência com possível existência de vítimas em um prédio em chamas na favela Heliópolis, zona sul da cidade de São Paulo.

O APOIO DA IMPRENSA

A informação foi passada pelo Comandante Luchesi 6, piloto da aeronave da Rede Globo, a qual fazia seu rotineiro voo de reportagem para aquela emissora de televisão, juntamente com a repórter Eleonora Paschoal e o repórter cinematográfico Edson Silva. Disse que, no local, havia várias vítimas e o fogo era muito intenso, sendo que até aquele momento não havia nenhuma viatura do Corpo de Bombeiros e o trânsito estava muito complicado na região. Notou-se que o mesmo estava muito emocionado ao passar as informações.

O ALARME É ACIONADO

Prontamente, às 07:20 horas, foi acionado o alarme, fazendo soar duas vezes a sirene, indicando que se tratava de ocorrência de resgate, quando decolou o Águia Dois, cerca de um minuto depois.

Tendo em vista a possibilidade de o Águia Seis ser utilizado em apoio a essa ocorrência, uma vez que havia informações não confirmadas de vítimas no teto do prédio em chamas, solicitei ao Tenente Peixoto que acompanhasse a fonia do Águia Dois, na sala de rádio, orientando os mecânicos na preparação do material que poderia ser usado para o potencial salvamento, adiando o vôo de trânsito.

Para mim, esse foi um momento de ansiedade, uma vez que passou em meus pensamentos que as únicas vezes em que helicópteros foram usados no Brasil em incêndios em edificações elevadas foram nas tragédias dos edifícios Andraus e Joelma. Comecei a pensar, apesar de nada confirmado ainda, como fazer para tirar as pessoas de cima de um prédio com os meios e técnicas que dispúnhamos. Não sabia a real extensão das chamas nem qual seria a reação da aeronave nessa situação. Nada escrito existia, nem ainda existe, sobre este tipo de emprego do helicóptero. O que eu tinha de informação eram apenas especulações e suposições. Afinal, naquela época o Grupamento de Radiopatrulha Aérea nem sequer estava nos planos da Corporação.

Finalmente, por volta das 07:27 horas, veio a confirmação, seis minutos após a decolagem do Águia Dois. Informaram que nossa decolagem deveria ser o mais rápido possível, uma vez que havia mais de vinte pessoas na última laje do prédio em chamas, sem a menor possibilidade de descerem com o auxílio dos bombeiros, já que era impossível o acesso ao local, devido ao fato de o fogo ser muito intenso.

Sobre a situação, esclareceu o Tenente Beni, pelo rádio:

“Ao chegarmos ao local, já havia várias viaturas do Corpo de Bombeiros, e a aeronave da Rede Globo filmando tudo. O Capitão Monte Oliva aproximou-se da laje do prédio, que estava com muita fumaça, quando então vimos várias pessoas sobre ele. Com a nossa aproximação, a fumaça dispersou e as vítimas conseguiram respirar. O Cap Monte Oliva verificou que o AB7 estava jogando água no segundo andar (o prédio tinha cinco andares), pois não viram as pessoas no teto, devido a fumaça. Imediatamente acionei o COBOM8 e solicitei que jogassem água no teto, pois havia várias vítimas, cerca de vinte. Em fração de segundos, o fluxo da água foi desviado e percebi que, pelo menos naquele momento, as vítimas estavam salvas, pois não agüentariam mais nem um minuto. Elas foram de encontro à água e se molharam desesperadamente, enquanto que, do chão, saía muita fumaça devido à vaporização pela alta caloria. Não sei quanto tempo elas agüentam. Venham logo com tudo o que puderem para fazer o salvamento, pois não podemos sair daqui.”

Conforme as orientações do Tenente Joseval, nosso mais experiente tripulante operacional, mandei instalar o material para o Rapel9 / Mac Guire10 e colocar o Cesto11 dentro da aeronave.

Chegando ao local, analisaríamos a situação e decidiríamos quais os meios e métodos seriam utilizados.

O APOIO CHEGA

Decolamos por volta das 07:35 horas, e quatro minutos após estávamos no local do sinistro. No caminho solicitei às aeronaves da imprensa que se afastassem do local para facilitar nossa operação e não haver a menor possibilidade de se criar uma situação de falta de segurança devido à proximidade com as mesmas, o que fizeram prontamente, desejando-nos boa sorte.

A cena presenciada é indescritível. De longe se via uma enorme nuvem de fumaça, tão densa que chegou realmente a preocupar. Chegando mais perto, avistamos o Águia Dois fazendo um voo pairado próximo ao canto superior esquerdo do edifício em chamas, mantendo-se cerca de dez metros das labaredas. As chamas saíam por todos os cantos do edifício e, no último pavimento, quase que “abraçavam” o prédio.

O prédio ficava num dos cantos da enorme favela. Tinha cinco andares e seu esqueleto de concreto parecia muito frágil naquele momento. Paredes só se viam algumas, de madeira e papelão, colocadas pelos “moradores”, uma vez que tudo já tinha sido consumido pelo fogo. Do segundo andar para cima, tudo era só concreto e ferros retorcidos no meio do fogo e fumaça intensos.

Próximo ao canto superior esquerdo, onde estava o Águia Dois, avistamos as pessoas aflitas, desesperadas, tentando se molhar na pouca água que o Corpo de Bombeiros conseguia jogar. Eram mais de vinte seres humanos. O Capitão Monte Oliva não podia sair dali, uma vez que, por acaso, verificou que a proximidade da aeronave afastava o fogo daquele lado. Por esse motivo, todas as pessoas se juntaram ali. Caso ele saísse, o fogo imediatamente atingiria aquelas pessoas. No entanto, minha aproximação ficaria muito restrita, pois a laje era pequena e nossas aeronaves correriam o risco de colidirem.

Pela fonia, o Capitão Monte Oliva me informou:

“Falconi, não posso sair daqui, porque o fogo está sendo mantido afastado devido à ação do vento do rotor12. Se eu me afastar daqui, certamente o fogo vai atingir as pessoas e elas vão acabar morrendo queimadas. Vá depressa, pois não sei quanto tempo poderemos ficar nesse pairado13, pois a aeronave está muito instável!”

Vimos várias crianças, e me lembro de ter visto uma senhora grávida, em estágio bem avançado. Essa senhora tentou saltar de lá de cima, mas um senhor a segurou. Todos pulavam como se estivessem proibidos de pisar no chão, o qual fervia de tal modo que a água jogada pelos bombeiros mal tocava o piso e já se evaporava, gerando muita fumaça.

Disse o Tenente Beni, após operação:

“Um momento que não esqueço foi quando uma mulher tentou pular. O Tenente Galetti (médico) gritava e gesticulava compulsiva e desesperadamente para alguém segurá-la. O Capitão Monte Oliva aproximou ainda mais a aeronave quando, então, a mulher foi segura por um homem e estava salva”.

Lembro que naquele momento cheguei a pensar que não seria possível fazer mais nada. Perguntei ao Capitão Monte Oliva, piloto muito mais experiente, como estava se comportando a aeronave naquele calor. Ele disse:

“Falconi, o helicóptero está bastante instável e exigindo bastante a potência do motor. Estou com o NG14 entre 97 e 98%. Acho que é melhor você usar o Mac Guire.”

Porém, decidi tentar antes uma aproximação com a aeronave, como se estivesse com o Cesto, com o objetivo de testar sua reação, uma vez que este equipamento é mais fácil de operar, mais rápido para instalar e é capaz de retirar mais pessoas ao mesmo tempo, se comparado com o Mac Guire.

Infelizmente, não foi possível. Constatei que o calor era muito intenso e, na distância necessária para colocar o Cesto no topo do prédio (cerca de seis metros), corríamos o risco de as chamas atingirem a aeronave, com conseqüências desastrosas.

Nesse mesmo momento,informou o Tenente Beni pelo rádio:

“Peixoto, não sei de que maneira, mas um bombeiro conseguiu chegar no topo do prédio. Ele está  tentando acalmar as pessoas e está conseguindo controlar a situação.”

O USO DO MAC GUIRE PARA O SALVAMENTO

Pousei, então, em um prédio em frente ao que estava em chamas, para proceder a instalação dos cabos e preparar a aeronave para o Mac Guire. Tripulavam a aeronave o Tenente Joseval e o Sargento Adão. Solicitei ao Tenente Joseval que fosse embarcado, devido a sua experiência. Precisaríamos, portanto, de mais um tripulante para ser levado no Mac Guire com o Sargento Adão. Imediatamente, por solicitação do Tenente Peixoto, o Sargento Januário (do Corpo de Bombeiros) se apresentou para a arriscada missão. Nesse momento o Tenente Peixoto me falou:

“Falconi, pedi a um Sargento do Corpo de Bombeiros que fizesse o Mac Guire juntamente com o Sargento Adão. Ele nunca atuou em uma missão real, mas já o orientei sobre como proceder. O Adão está um pouco nervoso, mas disse que vai enfrentar a situação. Todos já foram orientados também pelo Joseval, e está tudo pronto para decolarmos.”

heliopolis3
Técnica do "Mac Guire" para condução dos tripulantes ao prédio de Heliópolis

Era a primeira vez que uma missão desse tipo seria realizada. A mesma consistia em içar os dois sargentos por meio de cabos conectados à parte interna da aeronave e colocá-los em cima do prédio. Cada qual iria com um cinto extra para conectar, com segurança, mais duas pessoas, repetindo-se a operação até tirarmos todos do prédio. Os cabos escolhidos foram os de cinqüenta metros, uma vez que permitiria realizar um vôo pairado de longa duração, exigindo o máximo de potência da aeronave, devendo mantê-la o mais distante possível do fogo e da fumaça.

Lembro do momento da decolagem do playground daquele prédio, cerca de dez minutos após (07:50 horas). A aeronave subia, subia e o cabo parecia não ter fim. As pás passavam muito próximas ao edifício. Finalmente, o cabo esticou e o Tenente Joseval deu “livre deslocamento”. Iniciei deslocamento à frente.

A teoria foi muito boa e o procedimento adotado, já treinado em outras situações sem a presença de fogo, foi o correto. No entanto, foi muito difícil a condução da aeronave até o local. O ar em torno do edifício era muito rarefeito e turbulento, devido ao calor. A visibilidade era muito prejudicada devido à fumaça, restringindo muito o uso de pontos de referência para fazer o pairado. Fiquei muito preocupado com aquelas vítimas e com a segurança da operação.

Após fazer a perna base 15, já na aproximação final para a colocação dos tripulantes no teto do edifício, iniciou-se um pêndulo 16 longitudinal e depois circular, motivo pelo qual tive que arremeter 17 e fazer novo circuito, uma vez que a situação não permitia mais ganhar velocidade. Novamente ocorreu o pêndulo e novo circuito foi necessário. Comecei a ficar impaciente, pois não conseguia tirar o pêndulo, mesmo com toda a calma passada pelos tenentes Joseval e Peixoto. O ar estava muito turbulento e quente, e os parâmetros da aeronave chegavam a todos os limites operacionais. Suava bastante, e a responsabilidade que imputei a mim aumentou, afinal aquelas pessoas estavam dependendo de nós.

Na terceira tentativa, finalmente, conseguimos colocar os tripulantes no teto do edifício.

A fumaça, por várias vezes, tirava minha visibilidade e, constantemente, tinha que mudar meus pontos de referência. O calor era, mesmo naquela altura, insuportável. Os parâmetros ficaram mais próximos ainda dos limites.

O Tenente Joseval passava a todo instante as informações necessárias: “aeronave à frente”, “aeronave à esquerda” etc., até que, em determinado momento, disse que os dois tripulantes estavam ancorados 18 as duas primeiras vítimas, ambas crianças.

Disse, depois, o Sargento Adão:

“Tenente, nunca estive numa situação tão difícil. Ao mesmo tempo que queria salvar aquelas pessoas, via que poderia morrer se o senhor cometesse alguma falha. As pessoas viram em nós sua tábua de salvação. Todos queriam ser os primeiros a serem socorridos e tive até de agir com energia, dizendo que a prioridade eram as crianças, depois mulheres e homens adultos. Houve até uma certa confusão, mas tudo acabou correndo bem. Selecionei as duas crianças menores e que estavam aparentemente piores. Coloquei umas delas em meus braços ancorada ao meu equipamento, o mesmo fazendo o Sargento Januário. Quando dei o sinal ao Tenente Joseval para abandonarmos o local, o senhor não imagina o alívio que senti, apesar de saber que deveria estar lá novamente para tirar as outras vítimas.”

Depois de ancoradas as crianças, o Tenente Joseval, finalmente, após “horas de ansiedade”, as quais duraram exatamente cinco minutos, deu “livre, aeronave para cima” e “livre deslocamento”. Durante aqueles cinco minutos, cheguei a pensar em abortar a missão, pois estava muito crítica, mas algo superior me acalmava. Pensei nos tripulantes que estavam arriscando suas vidas, sabendo que um pequeno erro em minha ação nos comandos e qualquer vacilo em superar aquelas dificuldades poderiam causar uma tragédia.

Nesse meio tempo, devido à ação do vento das duas aeronaves e à chegada de uma viatura do Corpo de bombeiros com uma escada alta o suficiente para jogar água no prédio, é que foi possível também àquele bombeiro, devidamente equipado com capa, capacete, bota e proteção respiratória, chegar ao topo, pelo o qual passou a coordenar a seqüência das pessoas que seriam socorridas pelos helicópteros.

O USO DO CESTO PARA O SALVAMENTO

Enquanto desembarcávamos as duas primeiras vítimas no estacionamento do prédio em frente, a fim de serem atendidas pelo pessoal do Resgate, o Capitão Monte Oliva saiu do local para pegar o Cesto que havíamos deixado no playground do mesmo edifício. Essa parte nós não vimos, porém ele me disse depois:

“Você não imagina com que aflição eu estava enquanto vocês não chegavam. Eu estava vendo as vítimas pulando feito pipocas na frigideira e não podia fazer nada. Até tentei aproximar a aeronave no teto, mas foi impossível. Vi então que não poderia sair mais dali, pois o pairado provocou o afastamento do fogo que abraçava a laje. Quando vi as dificuldades enfrentadas por você ao fazer o salvamento com o Mac Guire, achei que várias pessoas morreriam. Porém, o fogo foi diminuindo aos poucos com a chegada de mais água e a ação do vento do seu helicóptero. Então, para ganhar tempo, resolvi instalar o Cesto e tentar resgatar algumas vítimas, enquanto você fazia a operação com o Mac Guire.”

heliopolis1
Tripulação: Cap Monte Oliva (Cmt), Ten Beni (co-piloto - lançador) e Sgt Pimental (enfermeito - cesto)

Verifiquei então que o mesmo já estava em aproximação final para o topo do prédio, com o Cesto. Não entendi muito bem como o faria, uma vez que ele não tinha nenhum tripulante a bordo para fazer o lançamento, afinal tripulavam a aeronave, além dele, o segundo piloto, o oficial médico e o sargento enfermeiro. Depois o Tenente Beni me explicou:

“Resolvemos pousar no playground e instalar o Cesto. O Capitão Monte Oliva me perguntou se eu seria capaz de fazer o lançamento e eu, claro, disse que sim. O Sargento Pimentel, prontamente se ofereceu para ir no Cesto. Fizemos a instalação, um pequeno briefing e decolamos. Só depois fui ver como a situação era difícil. Fiquei deitado no piso da aeronave, e a sensação foi muito estranha, pois nunca tinha feito aquilo antes, apesar de ter participado, como segundo piloto, em várias situações e saber perfeitamente como proceder. No entanto, a situação assim o exigiu. Vi que a responsabilidade foi transferida toda para mim no que dizia respeito à orientação da aeronave, à vida do Sargento Pimentel e à vida das vítimas colocadas no Cesto.”

Disse depois o Sargento Pimentel:

“Nunca estive numa operação com Cesto, nem dentro dele. Mas a confiança que temos em Deus e na perícia dos pilotos, me deixou tranqüilo. Só não esperava que o Cesto, apesar de não pendular, girasse tanto. Achei que ia cair do topo do edifício na hora que desci do Cesto, pois eu estava muito tonto. Cheguei até a tropeçar. Ao colocar o pé na laje, minhas botas foram encobertas pela água fervente; foi quando senti a real situação daquelas pessoas. Colocamos mais três pessoas no Cesto, as que estavam piores, de acordo com minha avaliação de enfermeiro, entre elas a senhora grávida que quis se jogar de lá de cima. Percebi, então, que vários bombeiros já estavam conseguindo chegar ao teto e começaram a evacuá-las pela escada, protegidas pela água lançada pelo caminhão de bombeiros. Dei, então, o sinal ao Tenente Beni para decolarmos.”

Como os bombeiros já haviam conseguido chegar à laje e começavam a retirar as vítimas, uma vez que o fogo já havia baixado, o Capitão Monte Oliva resolveu pousar e suspender a operação de Cesto com seu helicóptero. O risco já não mais compensava, e a situação já estava sob controle dos bombeiros, apesar de ainda muito intenso o fogo. Continuou, então, com o apoio da equipe médica, na remoção dos feridos.

helipolis4
Retirada de vítimas com o uso do cesto

Enquanto o Capitão Monte Oliva fazia o salvamento com o Cesto, fiquei no pairado observando e avaliando a situação, quando o Tenente Peixoto, que já foi do Corpo de Bombeiros, notou que o combate ao incêndio estava prejudicado, pois os bombeiros não tinham acesso à parte dos fundos da favela, para onde o fogo se propagava. O vento estava levando as labaredas para os barracos próximos e ao outro prédio em construção, também invadido e não evacuado.

Que fique claro que isso não foi uma falha dos bombeiros, uma vez que a favela tem muitas ruelas estreitas e a distância da rua mais próxima, pela qual seria possível terem acesso as viaturas de bombeiros, era muito grande.

Também nos foi comunicado que a água das viaturas AT19 estava acabando e os hidrantes mais próximos, existentes no local, não estavam funcionando, o que aconteceu, provavelmente, devido ao fato de o local ter sido invadido, e as obras não terem sido concluídas. Tentaram coletar água do prédio em frente, mas a vazão era insuficiente.

O USO DO BAMBI BUCKET PARA DEBELAR AS CHAMAS

Apesar de já não haver vidas humanas potencialmente em risco, a não ser no caso de as chamas atingirem o outro prédio, decidi me deslocar com o Águia Seis ao Campo de Marte para instalar o Bambi Bucket20.

O Águia Cinco, tendo como Comandante o Tenente Henrique, como segundo piloto o Tenente Gaspar e Tripulante Operacional o Sargento Minozzi, já tinha decolado com equipamentos de salvamento Rapel / Mac Guire e Cesto para apoiar, se necessário. Eles compunham a Equipe “C”. Enquanto eu me deslocava para apanhar o Bambi Bucket, o Tenente Henrique começou a procurar algum manancial próximo ao local do incêndio que permitisse a coleta rápida de água.

As aeronaves da imprensa, que não perdiam nenhum detalhe, se prontificaram a também procurar, no entanto, quem acabou encontrando foi a própria tripulação do Águia Cinco. Tratava-se de um reservatório da SABESP próximo a divisa com Diadema. O Tenente Gaspar plotou o local através do GPS 21 e passou as coordenadas para nós, no Águia Seis.

Sugeri, então, que o Águia Cinco também retornasse a base para pegar outro Bambi Bucket para auxiliar nos lançamentos, diminuindo, assim, os intervalos entre os mesmos.

Chegando ao campo de Marte, solicitei a torre aproximação direta para o pátio do hangar da Policia Militar, procedimento não rotineiro. A torre marte imediatamente autorizou, uma vez que foi informada da emergência.

Os mecânicos já estavam a postos, com Bambi Bucket para 100% (580 litros), uma vez que estava com apenas 30% de combustível e o peso permitido. Depois de dois minutos devido a presteza dos mecânicos, o mesmo já estava instalado. Solicitei a torre decolagem imediata com carga externa (o Bambi) e, após autorizado, retornamos ao local,  chegando lá por volta das 08:40 horas.

Cerca de dez min depois, o Águia Cinco decolou com o Bambi Bucket a 70% (cerca de 410 litros), visto o mesmo estar com limitação de peso, pois estava com cerca de 50% de combustível.

heliopoli2
Lançamento de água utilizado o equipamento "bumbi bucket" no incêndio de Heliópolis

Encontrei, sem problemas, o local para abastecimento do Bambi Bucket graças às coordenadas geográficas fornecidas anteriormente. Efetuamos cinco lançamentos cada um, alternadamente, acabando por extinguir, quase que totalmente, o fogo e afastando de vez o perigo de o mesmo atingir as circunvizinhanças.

Enquanto fazíamos a extinção do fogo, o Águia Dois retornou à sua missão inicial de fazer o socorro de vitimas que aguardavam para serem removidas ao hospital Heliópolis, com os cuidados de nossa equipe médica.

O BOM FILHO À CASA TORNA

Retornamos todos ao campo de marte, a tempo de ver os comentários das varias emissoras de televisão, cujos jornalistas não se cansavam de tecer elogios a atuação de nossa corporação.

A operação foi divulgada ao vivo nas principais emissoras televisivas do território nacional e para todo mundo através da CNN e diversas outras empresas internacionais.

Em momento algum tivemos expoentes de atuação, executando todas as ações de maneira coordenada, não se desperdiçando um segundo sequer de tempo. Tudo funcionou como um relógio: enquanto uma aeronave fazia uma coisa, a outra fazia outra, todos se comunicando e se entendendo perfeitamente. Pela primeira vez, numa única operação, foram tão diversificadas as técnicas e meios para o combate a um incêndio em edificações elevadas, além dos convencionais.

UMA OPERAÇÃO DE RISCO

Existe um risco real do emprego da aeronave próximo ao fogo ou em ambientes próximos devido a vários motivos técnicos 22. Angustiava-me saber que a única solução seria arremeter o mais rápido possível, a fim de salvar minha tripulação embarcada e não causar estragos maiores. No caso de Heliópolis, se isso acontecesse, teríamos que primeiro cortar os cabos ou alijar o cesto, para depois arremeter, sendo este o principal risco que correram os tripulantes, verdadeiros Heróis.

Com relação às cenas presenciadas por mim e por todos os que participaram da operação, as mesmas nunca mais serão esquecidas, cenas que mostraram momentos de verdadeiro horror e angustia, por não se ter certeza do que e como fazer para controlar a situação. Sempre vou lembrar aquelas crianças chorando, daquelas pessoas gritando e gesticulando para nós, aquela senhora que tentou pular e foi salva por aquele homem que, muito calmo, a segurou. Lembro-me de todos saltitando de tão quente o chão e de um senhor que ficou o tempo todo agachado, até ser retirado por um bombeiro, enquanto o outro helicóptero ficava no pairado no meio do fogo e da fumaça. Coisas que só vemos em filmes.

Nada foi tão emocionante e gratificante quanto a retirada das primeiras vitimas, após todas as tentativas frustradas de aproximação com pendulo. Achei que não iria conseguir, mas depois de pousar, aquela tremedeira nas pernas acabou e pude respirar aliviado ao ver que tudo dera certo. Naquele momento, tivemos que ultrapassar vários limites dos helicópteros e principalmente pessoais, o que fizemos com absoluto sucesso. Tão apreensiva foi a operação realizada com Mac Guire, a operação de lançamento de água com Bambi Bucket, normalmente tensa, chegou a ser até uma atividade “agradável”.

OS HERÓIS

Gostaria de referenciar e agradecer aqui a atuação dos Sargentos Adão e Januário (do Corpo de Bombeiros), que ficaram no Mac Guire, salvando as primeiras vitimas e do Sargento Pimentel, que desceu no cesto, salvando mais três vitimas. Esses profissionais são os verdadeiros Heróis que arriscaram suas vidas, uma vez que, pelo bem daquelas pessoas, se expuseram às chamas, enfrentaram o risco particular das operações de cesto e Mac Guire sem hesitar e se submeteram ficar à mercê dos comandantes das aeronaves, os quais pouco poderiam fazer caso as mesmas perdessem a sustentação, a não ser alijá-los.

UM DEPOIMENTO

No dia seguinte ao ocorrido, a equipe de reportagem da Rede Globo compareceu a nossa sede, no campo de marte, somente para nos agradecer e cumprimentar pela atuação. Recebi pessoalmente a equipe quando a repórter Eleonora Paschoal deu o seguinte depoimento:

“Vocês são demais! Estávamos fazendo um sobrevôo sobre o Osasco Plaza Shopping, onde, aliás, vocês tiveram uma brilhante atuação, fazendo umas tomadas para verificar se estavam fazendo alguma obra no local, com as imagens ao vivo. Ao terminarmos,o Luchesi perguntou para onde iríamos e, não sei o motivo, pedi para irmos para a zona sul, ver a favela da vila prudente. Quando lá chegamos fomos afastando a aeronave para melhorar o ângulo das tomadas. Em determinado momento o repórter cinematográfico Edson Silva avistou, na direção do Ipiranga, uma fumaça muito grande e resolvemos verificar o que era. Qual nossa surpresa quando, mais próximo do local, na favela Heliópolis, avistamos um fogo imenso. Solicitei a central da emissora para colocarmos as imagens ao vivo no ar, a fim de que alguém, bombeiros, policiamento, CET, Grupamento Aéreo, etc. as visse e tomasse as melhores providencias. Enquanto isso, o Luchesi tentava fazer contato pela fonia aeronáutica com o Solo Águia23, quando solicitou que mandassem imediatamente uma aeronave para o local e acionassem o Corpo de Bombeiros, que até o momento, não havia conseguido chegar. O Transito estava complicado demais. Depois de Termos conseguido o contato com vocês, chegando mais perto,  avistamos aquelas pessoas correndo de um lado para o outro. A impressão que eu tinha é de que podíamos pegá-los  com a mão, mas era mera ilusão. Emocionei-me muito nesse momento, e é uma cena que nunca mais vou esquecer. Senti-me totalmente impotente ante a situação e achei que as vitimas iriam morrer, pois ninguém chegava ao local. Havia um civil com uma mangueira de jardim, do edifício em frente, jogando água e varias pessoas gesticulando e gritando desesperadas.
O Edson Silva chegou até a dizer que não poderia mostrar ao vivo aquelas imagens de terror, mais era preciso, pois poderíamos ajudar em alguma coisa no planejamento da operação de salvamento.
Quando a emissora colocou no ar nossas imagens, já estávamos lá há cerca de quinze minutos. Ninguém chegava, e comecei a entrar em desespero. Foram minutos que pareceram eternos até vocês chegarem, quase junto com uma viatura do Corpo de Bombeiros. Ficamos torcendo muito e, no meio aquela situação confusa, não entendi muito bem o que seria feito, quando vi que o helicóptero de vocês se colocou próximo ao fogo, afastando as labaredas do teto, como se fosse um enorme ventilador. Achei isso sensacional, uma idéia magnífica. Menos de cinco minutos depois chegou o outro helicóptero e se aproximou mais ainda do teto, no meio do fogo e da fumaça, de tal modo que não podíamos nem vê-los direito de onde estávamos. E o resto você já sabe, pois estava lá.
Minha sensação de impotência ia aos poucos desaparecendo à medida que vocês atuavam. Tudo era perfeitamente coordenado, como se vocês tivessem ensaiado aquilo. Ficamos sabendo que nada semelhante no mundo havia sido feito anteriormente. Ficamos maravilhados com a atuação de vocês e dos bombeiros. O tempo todo vocês nos passavam informações da situação, através do Luchesi, as quais transmitíamos ao vivo para a televisão. Fiquei muito gratificada por isso, pois de impotente ante a situação passei a me sentir útil novamente. A maior recompensa foi ver, no final, que ninguém havia morrido pelo fogo, a não ser aquelas crianças intoxicadas que não saíram a tempo do prédio.
O trabalho de vocês foi fantástico. Já havia visto vocês operarem todos aqueles equipamentos isoladamente em outras ocasiões. A criatividade, a sensibilidade, a rapidez nas decisões acertadas me deixou extasiada. A troca de informações entre vocês e as aeronaves da imprensa foi bárbara.
Vocês são realmente heróis, pois não é qualquer um que teria a coragem de fazer o que fizeram. Sempre que precisarem contem com a gente, e que Deus os proteja!”

O ENSINAMENTO

Dentre os vários ensinamentos que certamente assimilei naquele fatídico dia, um deles é que nada é absolutamente verdadeiro, a não ser que se prove na prática. Nunca sabemos realmente quais são nossos limites, apesar de sempre respeitá-los.

Acabamos, todos, cravando na história de nossa gloriosa Corporação mais uma página de um relevante serviço prestado à comunidade paulista, que serviu de exemplo ao Brasil e ao mundo. Certamente, sem a presença Divina, nada poderíamos ter feito.


NOTAS

1. Inspeção realizada em aeronave, por mecânicos e pilotos, antes do vôo.
2. Funções a bordo dos helicópteros do GRPAe: Comandante da Aeronave (primeiro piloto). Comandante de Operações (segundo piloto) e Tripulantes Operacionais (observadores, mecânicos, médicos e enfermeiros).
3. As equipes são divididas de acordo com as missões: “A” atende o policiamento aéreo (apoio em ocorrências, trânsito, rodoviária, buscas etc.), “B” atende o resgate (missões aeromédicas) e “C” atua complementarmente.
4. Vôo diário realizado nos períodos matutino e vespertino, nos horários de rush, objetivando melhorar a fluidez do tráfego, através do fornecimento de informações.
5. Instruções e recomendações transmitidas aos tripulantes e passageiros antes de qualquer voo ou missão.
6. Cel Res PM Sérgio Luchesi, ex-comandante do Grupamento de Radiopatrulha Área.
7. Viatura de grande porte equipada com tanque de capacidade aproximada de 4.000 litros de água e uma bomba d’água acoplada ao motor.
8. Centro de Operações do Bombeiro.
9. Técnica utilizada para as descidas controladas de homens em locais de difícil acesso, partindo de uma plataforma fixa (no caso o helicóptero no vôo pairado), onde são utilizados cabos e dispositivos ou esquemas para a frenagem durante a descida.
10. Técnica que leva o nome do sargento americano que a idealizou. Consiste no transporte de pessoas ancoradas na extremidade de cabos, normalmente tripulantes especializados, possibilitando aos mesmos ter acesso às vítimas para resgatá-las do local isolado.
11. Equipamento desenvolvido no GRPAe, idealizado a partir de um filme americano, que consiste numa gaiola de náilon com dois aros de alumínio que, quando suspensa, tem a forma cônica. Conectada ao gancho do helicóptero, permite o transporte de até quatro pessoas com segurança.
12. Disco formado pelo movimento circular das pás do helicóptero.
13. Vôo estacionário sobre um determinado ponto, tomando por base referências (horizontais, verticais e laterais) em relação ao solo.
14. Abreviatura utilizada para indicar o Regime do Gerador de Gases no grupo turbo motor (turbina), proporcional à potência a ele exigida.
15. Uma das frases do circuito de tráfego durante o procedimento de pouso, que é composto de perna do vento (quando a aeronave está se deslocando a favor do vento), perna base (curva de 180º mantendo ângulo constante, após a perna de vento) e aproximação final (quando a aeronave se coloca contra o vento para pouso).
16. Oscilação da carga colocada externamente à aeronave, podendo ser longitudinal, lateral e circular. O último é o mais perigoso por ser o mais difícil de ser revertido, devendo o piloto arremeter ou ganhar velocidade, nessa situação.
17. Abandonar a operação de aproximação.
18. Ato de conectar o equipamento de salvamento da vítima ao equipamento do Tripulante Operacional.
19. Viatura de grande porte, equipada com tanque de capacidade aproximada de 8.000 litros de água, cuja função principal é o transporte de água para o local do sinistro.
20. Equipamento canadense desenvolvido para combate a incêndios, consiste num cesto de náilon conectado ao gancho do helicóptero. Através desta técnica, coleta-se água e, através de acionamento elétrico feito pelo piloto, alija-a sobre o fogo.
21. Global Positioning System (Sistema de Posicionamento no Globo), aparelho navegador/localizador que usa satélites existentes na órbita terrestre para dar informações de latitude/longitude (coordenadas geográficas).
22. O ar fica turbulento devido às correntes ascendentes que existem no local: fica também rarefeito, diminuindo a sustentação e consequentemente exigindo maior potência do motor. A sustentação diminui, uma vez que é diretamente proporcional à massa de ar existente e à velocidade da superfície aerodinâmica. Como a tendência da aeronave é se deslocar para o local mais quente (que tem menor resistência ao movimento), no caso de aeronave começar a descer, o piloto aplica instintivamente o coletivo aumentando a potência. Com isso o ângulo de ataque das pás aumenta e ocorre o fenômeno do “stol de ponta de pá”, que é a perda de sustentação, pois a mesma faz com que a camada de ar que passa por ela se desloque a partir da extremidade do disco do rotor. Resumindo, quanto mais potência se aplica, mais sustentação se perde.
23. Nome operacional da Sala de Rádio do Grupamento de Radiopatrulha Aérea.


O autor atualmente é Major da PMESP, Piloto de Helicóptero do Grupamento de Radiopatrulha Aérea. Formado em Eletrotécnica pela Escola Técnica Federal de São Paulo, em Direito pela Universidade Mackenzie e em Análise de Sistemas pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo.


32 COMENTÁRIOS

  1. SÃO FATOS COMO ESSE QUE ACABEI DE LER, QUE NOS MOTIVAM A PROSSEGUIR EM NOSSA MISSÃO.
    AQUI EM PERNAMBUCO TEMOS VOCÊS DO GRPAE COM ESPELHOS.
    PARABÉNS NOBRES “ÁGUIAS” !!!
    CAP PMPE ROMILDO.

  2. Parabéns ao Maj Falconi pelo brilhante texto. Tive a oportunidade de conhecê-lo em recente visita ao GRAer da PMESP.

    O texto em questão foi, por várias vezes, objeto de avaliação no nosso concurso interno para seleção dos pilotos policiais.

    Parabéns a todos os heróis envolvidos nessa missão!

  3. Realmente uma história linda de coragem, bravura e eficiência técnica!!
    Sou piloto civil, mas espero em breve, poder realizar este tipo de missão. Me orgulha muito essa profissão.

  4. Acabei de abrir meu e-mail, e li essa matéria, contada com tanta emoção! parece um filme, estou muito emocionada e feliz de saber que temos grandes profissionais como vocês! Dessa corporação tão linda e guerreira sendo no ar e na terra.
    Mais uma vez parabéns à todos!!
    Cléo Rosa
    São Paulo

  5. Sensacional!!!

    Não sabia que tinha sido tão difícil. Alguem guardou algum video, fotos ou jornal do evento? Ao ler o texto fiquei muito interessado em ver as imagens ou ler mais a respeito…
    Parabéns!!!

  6. Major Falconi,

    É com a coragem de homens como vcs que o brasil avança para uma conjuntura melhor. Um grande resgate com muitas glórias para a corporação e para todos aqueles profissionais que valorizam e defendem a Vida. Meus Sinceros parabéns á todo esse “Elite Team” da polícia de São Paulo,
    que para os outros grupamentos aéreos é motivo de orgulho e referência.

    Um Abraço

  7. Major Falconi e Equipe,
    É muito gratificante saber e conhecer pessoas tão maravilhosas e capazes, que nos mostram a qualidade de nosso povo brasileiro. Parabéns a Corporação e aos heróis aqui envolvidos.

    Abraço

  8. Acabo de ler o texto para meu filho de oito anos. Ele ficou muito curioso para saber como tudo aconteceu.Tentei explicar tudo com detalhes. Falei do querido Luchesi,da habilidade de pilotos como o Falconi e de como o ninho das águias era fantático. Contei que depois de alguns anos encontrei as pessoas que estavam no alto do prédio e foram salvas graças a coragem e criaividade do pessoal do águia.Mostrei o trofeu que ganhei da corporação e que guardo com muito carinho.

  9. Querida Eleonora,
    É um prazer ver seu comentário.
    É incrível como ainda me emociono toda vez que leio meu próprio texto! Aquele dia foi realmente para ficar na história.
    Grande abraço.
    Aguardamos sua visita, com seu filho, no GRPAe.
    Falconi

  10. Eu me lembro deste incêndio, da enorme fumaça e das labaredas que tomavam conta do pequeno edifício ainda inacabado. Estava no segundo colegial e estudava pela manhã em uma escola que ficava na região próxima ao incêndio. Muita gente parou para ver, o trânsito estava caótico no dia. Eu morava em bairro próximo dali também. Eu estava indo para a escola naquele dia, vi um pouco na tv, das primeiras imagens e eu me lembro do helicoptero da REDE GLOBO, se não me engano, o primeiro a fazer o sobrevôo no local. Aliás, se não me engano, este helicoptero da Globo ainda não tinha a câmera giro estabilizada na parte frontal da aeronave. O trânsito estava caótico. Era muita fumaça. Foi um dia muito complicado. Depois de um tempo começaram a vir viaturas de bombeiros, ambulâncias e helicopteros da policia militar, de outras emissoras, eu acho que o Pelicano estava lá também, me corrijam se eu estiver errado pois já faz um tempinho que isso aconteceu. etc. Sei que este incêndio foi notícia o dia inteiro, muitos lá na escola onde estudava falavam só neste assunto. Quando voltei para casa E ainda havia muita viatura por lá, muita fumaça e da janela do ônibus, eu vi o predio de perto. totalmente quiemado, com um forte cheiro de madeira queimada, fiquei impressionado com tanto estrago. Vi muitos carros de imprensa, me lembro de um Águia pousado no estacionamento de um prédio ao lado etc. Parabéns a todos que participaram desta ocorrência, a Policia Militar, Civil, Bombeiros, Imprensa, etc. Parabenizo o autor deste texto, Carlos Eduardo Falconi, pelo seu relato, o que nos faz sentir o quanto foi complexa esta operação para os senhores membros do GRPAPM-SP. Que deus abençoe a todos vc´s e que continuem prestando este excepcional trabalho a população do estado de São Paulo

    IVAN

  11. Olá Falconi,

    Ao ler o texto, a emoção voltou a tomar conta de mim, foi muito angustiante naquele dia estar no helicóptero da Globo e nada poder fazer, pois sabia que tratava-se de uma situação difícil somada à pouca experiência que você e o Henrique tinham naquela época, mas graças a Deus tudo acabou transcorrendo bem, apesar do sofrimento, e foi muito gratificante para mim, como ex integrante do GRPAe, assitir uma operação inétida até então, e com tamanho êxito.

    Queria cumprimentar mais uma vez a Eleonora Paschoal, pois sua presença como repórter a bordo do helicóptero da Globo naquele dia foi fundamenal, porque através de seu tirocínio e profissionalismo, conseguimos chegar ao local do incêndio logo no princípio, e pudemos acionar o GRPAe e o Corpo de Bombeiros. Caso não tivéssemos avistado a fumaça e sobrevoado o local naquele momento, as consequências poderiam ter sido trágicas.

    Parabéns , um abraço.

  12. Prezado Cel Lucchesi,
    Não teria feito nada se não fosse o excelente treinamento que tive e o Sr. foi um dos instrutores.
    Continuamos “voando para servir”.
    Conte sempre com a gente.
    Grande abraço.

  13. Com muita satisfação em dizer que esta publicação serviu para poder contar aos amigos de sala de aula um dos momentos mais emocionantes da historia do major falconi no grupamento, historia que arrepia , tenho todos os senhores como exemplo .. um grande abraço e muito obrigado por cada minuto de atenção dedicado a nós .

  14. Major Falconi, acabo de ler esse texto que escreveu, e fico cada vez mais impressionado com cada noticia que leio da equipe do águia. Sinto-me privilegiado em conhece-los pessolamente, e admiro muito todo trabalho de vocês todos! E depois de ter lido, só posso concluir que se algum dia quiser tentar alguma outra profissao, a de escritor nao seria nada mal!!!

    Um grande abraço e parabéns!

  15. Prezado Henrique,
    Obrigado pelas palavras.
    Escrever um livro sobre as histórias que vivi nestes 20 anos de GRPAe é uma obrigação e está nos meus planos para a aposentadoria.
    Grande e fraterno abraço.

  16. Gostaria que soubessem que o mesmo predio que ficou só o esqueleto, foi novamente invadido, e segundo disseram, corre o risco de desabamento. De verdade, espero que não seja mais uma tragédia anunciada. Se puderem façam alguma coisa.

  17. Parabéns Maj Falconi, não só pela coragem naquele dia, mas também por ter publicado esta notícia com detalhes, pois nós, recrutas no GRPAe já ouvimos esta história, mas não desta maneira. Pudemos conhecer também a dedicação de todos profissionais que atuaram naquele dia. Todos mostraram naquela “hora da verdade”, o porque do GRPAe abrigar uma das melhores equipes de policiais que atuam na atividade aérea do Brasil, senão do mundo. Que Deus sempre o abençoe, e o mantenha esta pessoa importantíssima para o GRPAe e para a grandiosa Polícia Militar do Estado de São Paulo. Profissionais como o sr fazem a diferença.
    Um grande abraço.

  18. Parabéns…
    A história ficou exatamente como ocorreu.
    Eu morava em um barraco que estava do lado do prédio pegando fogo…foi muito assustador.
    Graças a Deus o fogo não chegou até a minha casinha de madeira…
    Como dito em um comentário acima, o prédio foi invadido novamente, e a invasão ao redor aumentou muito mais…o pessoal que está no esqueleto não tem medo de morarem lá…é um perigo!
    …é uma história real emocionante…

    Parabéns mais uma vez a todos que tentaram ajudar.

  19. Prezado Paparelli,
    Obrigado pelas palavras.
    Deus dá as ferramentas, basta usarmos bem.
    Espero ter ainda muita saúde para continuar a batalha.
    Grande abraço.

  20. Cara Milena,
    Seria um prazer receber você no GRPAe.
    É importante para mim ter um testemunho vivo deste dia.
    Grande abraço,

    Major Falconi

  21. Ola, major Falconi !

    Li toda a materia, e vejo que voces trabalham num sincronismo perfeito,com amor, conhecimentos e muita responsabilidade, mesmo sendo o cumprimento do dever, o Salvaero merece uma grande salva de palmas. Sinto-me orgulhoso em tê-lo tido como meu professor na UAM. Que a proteção do Todo Poderoso esteja continuamente com todos voces.

    Grande abraço !

  22. Longe de mim ousar desmerecer o que foi descrito no texto, que dispensa explicações.
    Apenas gostaria de comentar o que a repórter disse em seu depoimento, “quando vi que o helicóptero de vocês se colocou próximo ao fogo, afastando as labaredas do teto, como se fosse um enorme ventilador. Achei isso sensacional, uma idéia magnífica. Menos de cinco minutos depois chegou o outro helicóptero e se aproximou mais ainda do teto, no meio do fogo e da fumaça, de tal modo que não podíamos nem vê-los direito de onde estávamos. E o resto você já sabe, pois estava lá.

    Minha sensação de impotência ia aos poucos desaparecendo à medida que vocês atuavam. Tudo era perfeitamente coordenado, como se vocês tivessem ensaiado aquilo. Ficamos sabendo que nada semelhante no mundo havia sido feito anteriormente”.

    Não quero me enganar, mas, imagino que ela esteja se referindo ao fato de usar o helicóptero para afastar as chamas. Se assim foi, creio que isso é técnica ensinada aos pilotos da aviação para-pública e militar no mundo todo, ou não?
    De todo modo, na guerra das Malvinas em 1982 há cenas de helicópteros Sea King, da marinha britânica, afastando chamas de navios atingidos em ataque aéreo, bem como usando a mesma técnica para afastar os botes salva-vidas desses mesmos navios.

  23. Eu morava no Heliópolis nesse tempo e pude ver pessoalmente o incêndio, naquele tempo eu era criança, tinha oito anos.Desde então passei a admirar o trabalho de vocês!Obrigado e que Deus os abençoe.

Deixe uma resposta

- Saiba o que é trollagem: Cuidado com os TROLLS !

- Política de moderação: Política de moderação de comentários: sua consciência

Os comentários não representam a opinião do Piloto Policial. Os comentários são de responsabilidade dos respectivos autores.

Comentários

comentários